top of page
Cachoeira

Cachoeira

A capital histórica do recôncavo baiano!

0 visualização

0 curtida

0 comentário

Cachoeira

Conheça Cachoeira, a capital histórica do recôncavo baiano!

 

​A antiga cidade de Cachoeira no Recôncavo Baiano possui conjunto arquitetônico e paisagístico tombado pelo IPHAN desde 1971. 

 

Repleta de casarões coloniais e igrejas seculares, suas ruas e ladeiras atravessaram o tempo e uma simples caminhada por elas se torna um incrível passeio. De Salvador parte o Passeio Day Use Cachoeira, ótima opção para conhecer a rica arquitetura e história de Cachoeira em um tour guiado e instigante.

 

A cidade fica às margens do belo rio Paraguaçu e faz fronteira com São Félix, separadas apenas pela ponte metálica Dom Pedro II.

 

A zona rural de Cachoeira reserva algumas preciosidades, possuindo estradas de barro que se comunicam com ruínas de antigos engenhos e pequenas igrejas dos áureos tempos do açúcar no Brasil Colonial. 

 

Há também presença de muitas comunidades quilombolas que guardam tradições da época dos escravizados. Conhecer Cachoeira é  uma linda aventura recheada de história,  além da rara beleza da sua paisagem natural composta de Mata Atlântica, fazendas e o extraordinário rio Paraguaçu. Uma ótima opção é fazer o Tour Histórico e Cultural de 2 dias pelo Recôncavo a partir de Salvador, certamente uma experiência inesquecível!

 

No mês de agosto acontece a tradicional festa da Boa Morte, liderada pela Irmandade da Nossa Senhora da Boa Morte. Trata-se de uma confraria religiosa afro-católica que, na sua origem e por muito tempo, foi responsável pela alforria de inúmeros escravizados. 

 

A festa acontece há mais de 200 anos e é considerada Patrimônio Imaterial da Bahia desde 2010. O evento dura quase uma semana e envolve diversos elementos culturais da região, como o samba de roda e a capoeira.

 

Um pouco da história de Cachoeira nos primórdios da colonização

 

A partir de 1501 e antes dos portugueses, os franceses já conheciam o Rio Paraguaçu. Costumavam fazer escambo de pau brasil com os indígenas que habitavam a região, estabelecendo uma espécie de feitoria em uma ilha centralizada no Rio Paraguaçu e até hoje conhecida como Ilha dos Franceses.

 

Em 1526, uma expedição portuguesa de patrulhamento liderada por Cristóvão Jacques adentrou no Paraguaçu pela Baía de Todos os Santos. Na região da Ilha dos Franceses, afundaram três naus francesas em combate.

 

Especificamente, a região de Cachoeira era habitada por indígenas jaraguá, do grupo Paiaiá, que foram dizimados em 1558 quando Mem de Sá conquistou o Paraguaçu.  A destruição foi completa, dizimando aproximadamente 130 aldeias indígenas que impediam a presença do colonizador. A colonização baiana então ocupou as terras para a construção de engenhos de açúcar. 

 

A partir de 1565, a família Rodrigues Adorno composta descendentes mestiços de Caramuru, empreendeu muitas guerras contra os indígenas. No final do séc. XVI, os irmãos Álvaro Rodrigues Adorno, Gaspar Rodrigues Adorno e Rodrigo Martins Adorno, bisnetos de Caramuru, pacificaram a região do Paraguaçu, ficando as terras de Cachoeira em posse de Álvaro Rodrigues Adorno.

 

Seu filho Afonso Rodrigues Adorno ainda empreendeu guerras contra os naturais no início do séc. XVII. Posteriormente, remodelou a capela de Nossa Senhora do Rosário, construída entre 1595 e 1606, e a casa construída por seu pai. Ambas as construções eram fortificações equipadas na luta contra os indígenas. 

 

Com a nova Igreja Matriz de Nª Sª do Rosário, a antiga capela foi entregue à confraria de São Pedro dos Clérigos e depois abandonada. Em 1872, os músicos da cidade sediaram na capela a Irmandade de Nª Sª da Ajuda, dando novo nome à mesma. A Igreja de Nossa Senhora da Ajuda é pedra angular na formação da cidade de Cachoeira.

 

No final do século XVI, existiam cerca de cinco engenhos na região. Mais de cem anos depois, em 1693, foi criada a freguesia de Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira, que recebia senhores de engenho e comerciantes. Além de ser grande centro açucareiro, nas terras próximas à vila se desenvolveram outras culturas, entre elas a do tabaco (fumo).

 

A Cachoeira de hoje possui dois distritos além da cidade sede: Belém de Cachoeira e Santiago do Iguape. Sua zona rural é repleta de ruínas de antigas igrejas e engenhos, além de igrejas, capelas e casas grandes ainda de pé. Trata-se de um acervo histórico extraordinário que precisa ser conservado e merece a visita do turismo histórico e cultural.

 

Entenda a estrutura de Cachoeira 

 

Cachoeira é a "capital" do Recôncavo Baiano e possui pousadas charmosas que funcionam em antigos casarões coloniais espalhados no centro da cidade e na orla do rio Paraguaçu. Destaque para a Pousada Convento do Carmo, onde os turistas podem dormir em quartos onde viveram frades carmelitas descalços. 

 

Em termos gastronômicos, a cidade possui alguns bons restaurantes situados na orla do Rio Paraguaçu, mas a sua zona rural também oferece maravilhas da gastronomia regional. Destaque para a culinária das comunidades quilombolas, que proporcionam temperos e sabores descendentes da ancestralidade indígena, escravizada e portuguesa.

 

Translado para Cachoeira – contrate online!

A Bahia Terra Turismo é especialista “em Bahia” e disponibiliza transfer de Salvador direto para seu hotel em Cachoeira. Também é possível contratar transfers para explorar sua zona rural e conhecer lugares incríveis como São Francisco do Paraguaçu e Santiago do Iguape, por exemplo.

Fotos

Conheça mais sobre

Chapada Diamantina

bottom of page